"Ontem chorei, vi nos olhos de uma criança, um olhar sem amanhã."

* Mostrar a realidade

A minha intenção ao colocar estas postagens é de mostrar todos os problemas que envolvem as crianças abandonadas.
Tanto os problemas relacionados ao abandono, como também os traumas, as mentiras, os preconceitos. O que envolve os pais que abandonam, os pais que adotam e os filhos adotivos.
Quando se toma uma decisão de adotar é uma responsabilidade muito grande,pois se trata de um ser humano, e as marcas e recordações ficaram pra vida toda.

Pesquisar este blog

Loading...

quarta-feira, 17 de abril de 2013

A Maioria das Crianças Adotadas é Feliz e Saudável

Pesquisa Constata: A Maioria das Crianças Adotadas é Feliz e Saudável


Artigos10 de abril de 2013


Como fica a criança após a adoção? Um estudo, realizado nos Estados Unidos, constatou que 88% delas se adaptaram muito bem a nova família

Julia Benvenuto


A adoção ainda pode ser um assunto delicado principalmente para muitos pais. Isso porque há sempre uma preocupação com a adaptação da criança ao convívio familiar. Mas uma nova pesquisa mostra que, ao contrário do que se pensava, muitas delas estão satisfeitas em seus novos lares.


O estudo, realizado em conjunto pela Child Trends e o Departamento de Saúde dos Estados Unidos, analisou 2 mil famílias com filhos maiores de 6 anos. Entre as descobertas, está a que 80% dos pais disseram ter filhos felizes e saudáveis.


O mesmo foi constatado em relação às crianças: 88% delas têm mostrado um comportamento harmonioso em casa e 50% não encontram problemas na escola. Além disso, a maioria (97%) diz saber que foi adotada desde pequena.



Para Magdalena Mercedes Ramos, terapeuta de casal e família e autora do livro E Agora o que fazer? – A difícil tarefa de criar os filhos(Ed. Ágora), a adoção é quase sempre uma situação difícil tanto para os pais como para os filhos. “A criança irá se sentir diferente e é aconselhável que ela tenha um espaço seguro para falar das suas angústias, em casa ou na terapia”, diz.



Contar à criança sua verdadeira origem é um dos fatores que, segundo Magdalena, facilitam essa aceitação ao novo lar. “Eles devem se sentir encorajados a saber mais sobre os seus pais biológicos”.




Fonte: Revista Crescer http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI108468-10514,00.html





Nenhum comentário:

Postar um comentário